quinta-feira, 19 de junho de 2014

Augusto Cury lança Bíblia de estudo e afirma ser um “cristão sem fronteiras”

Autor de livros sobre Jesus deseja aliar espiritualidade e psiquiatria

por Jarbas Aragão

Augusto Cury lança Bíblia de estudo e afirma ser um “cristão sem fronteiras”Augusto Cury afirma ser um "cristão sem fronteiras"


Após vender milhões de exemplares de seus livros, o psiquiatra e escritor Augusto Cury se arrisca no lançamento de uma Bíblia de estudo pela editora Abba Press. Trata-se de notas assinadas por ele na Freemind – Mentes Livres, com texto da Bíblia King James Atualizada.

Além do texto bíblico, a edição traz cerca de 200 páginas commaterial da tese de doutorado de Cury, cujo título era justamente “Freemind – Mentes Livres”. Tratam-se de 24 princípios básicos, aliados a reflexões, exercícios e dinâmicas. Podendo ser praticadas em grupo ou individualmente, essa proposta oferece “ferramentas psicossociais” que podem auxiliar as pessoas “a lidar com suas mentes”, indica o autor.

Questionado sobre sua fé, Augusto Cury dá um breve testemunho: “um dos maiores ateus que pisou nesta terra. Mas depois de estudar a personalidade de Jesus sob o crivo da ciência, percebi claramente que ele não cabe no imaginário humano. Tornei-me um cristão sem fronteiras”.

O autor explica que seu objetivo é ajudar pessoas que possam estar enfrentando problemas de ordem psicológica. “A minoria vai se tratar. E o tratamento é caro. Por isso desenvolvi o “Freemind” e o estou disponibilizando gratuitamente. Embora as editoras que o publiquem tenham seus custos e necessitem cobrar pelos livros, mas eu não recebo literalmente nada, a não ser o prazer em contribuir com a humanidade”, esclareceu ele em entrevista recente.

Cury defende que deseja apenas aliar ferramentas da psicologia moderna com as “ferramentas que Jesus, como o Mestres dos mestres, ensinou e trabalhou amplamente em seus discípulos”. Para isso, oferece nessa edição dicas de como prevenir ansiedade e outros transtornos emocionais e desenvolver a inteligência socioemocional das crianças.

Embora cercado de críticas, Cury já escreveu vários livros sobre Jesus e acredita ter uma contribuição a dar. “Se as religiões e as ciências humanas tivessem estudados as ferramentas psicológicas que Jesus utilizou na educação da emoção dos seus alunos ou discípulos, a humanidade não seria a mesma”, defende.

Para o escritor, Jesus foi “o poeta da generosidade” e da inclusão social e também “foi Freemind, teve uma mente livre, mesmo quando o mundo desabava sobre ele”.

Osvaldo Paião, da editora Abba, responsável pela Bíblia de estudo Freemind, conta que o lançamento será durante a Conferência Freemind, dia 5 de julho na Igreja Batista do Morumbi, em São Paulo. Ele explica que o Dr. Cury irá ensinar “como os leitores poderão colocar em prática as ferramentas e princípios da sua tese de reprogramação mental, emocional e espiritual a fim de que novos horizontes de felicidade sejam experimentados e a libertação de eventuais amarguras, traumas, vícios, sistemas nervosos e de autopunição (culpa) sejam equacionados e tratados”. Com informações Revista Ultimato


Fonte: Site Gospel Prime
http://noticias.gospelprime.com.br/augusto-cury-biblia-freemind/?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro


Orlando Fedeli
É bem sabido que o darwinismo suscitou uma grande onda racista. Pois se a luta pela sobrevivência causava a seleção das espécies, a luta entre as raças causaria o aperfeiçoamento da espécie. Assim, o nazismo foi um dos efeitos do darwinismo.
O que, porém se deixa à sombra, é a influência do darwinismo no racismo de Allan Kardec, o fundador do espiritismo "moderno".
Kardec, cujo verdadeiro nome era Hypolite Léon Dénizard Rivail, foi um homem que aprendeu bem mal a Gnose típica das sociedades secretas a que pertenceu. Nessas sociedades do seçulo XIX, se ensinava uma doutrina mais ou menos influenciada pelo romantismo, doutrina em geral originada do cabalista Jacob Boehme. Se Kardec aprendeu mal essa doutrina teosófica e romântica, ensinou-a pior ainda. Daí nasceu o sistema gnóstico grosseiro e cheio de contradições do espiritismo moderno.
Lendo os livros de Kardec, tem-se a impressão de ler textos de um aluno de ginásio que, não tendo compreendido bem a lição que recebeu, e com presunção própria aos ignorantes, escreve obras sem nexo, contraditórias e mal feitas. O resultado é uma Gnose de "basse cour", isto é, uma "gnose de galinheiro".
Por ela se passa pisando como em "lama" pseudo intelectual.
Pois lendo -- com repugnância -- o livro A Gênese de Allan Kardec (Ed . LakeSão Paulo, 1a edição, comemorativa do 100o aniversário dessa obra) pode-se encontrar o seguinte texto, escandalosamente racista, do fundador do espiritismo moderno:
"O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso(sic!). Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacosque aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados"
(Allan Kardec, A Gênese, ed. cit. p. 187, o sublinhado e o negrito são meus).
Kardec afirma aí o mais grosseiro e brutal racismo. 

 

 Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro - 2
Orlando Fedeli
Vimos já várias citações escandalosamente racistas de Allan Kardec, frutos de sua doutrina caudatária do evolucionismo darwinista.
Hoje, queremos apresentar mais um texto desse autor, que, embora tendo baixíssimo nível intelectual, vem causando muito mal, particularmente no Brasil.

Na obra intitulada O Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta:

"6 --Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?" (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126).

Já a pergunta denota um certo racismo, pois supõe que uma criança hotentote, ainda que educada nas melhores escolas, não teria possibilidade natural de alcançar o nível de um cientista branco.

Allan Kardec explicita seu racismo brutal e grosseiro na resposta que dá a essa pergunta, por ele mesmo feita:

"Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão ?" (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 127).

Como é possível se imprimir e difundir, ainda hoje, uma doutrina racista tão brutal e tão grosseira?

É patente, nas frases citadas, que Allan Kardec considerava a raça branca -- a caucásica -- superior à raça hotentote.


E Kardec chega ao absurdo de levantar a hipótese de que um hotentote não seria um homem!

Hitler aprovaria a doutrina racista de Kardec.

E os espíritas tupiniquins, repudiam eles esse racismo grosseiro e brutal, ou o aceitam?

Se o repudiam, como poderão continuar aceitando a doutrina espírita de Kardec como revelada por "espíritos superiores"?

E será que esses "espíritos superiores" eram "caucásicos", isto é, arianos?

Não há dúvida, pois: 
Allan Kardec era um racista grosseiro e brutal. E a doutrina espírita é racista.

Daí, o orgulho que ela suscita em seus seguidores, que -- se são caucásicos -- se julgam superiores aos demais mortais, quer porque os consideram de raças inferiores, quer - quando se comparam a outros brancos -- os julgam pouco evoluídos espiritualmente.

Como católico, repudio totalmente essa doutrina herética e racista.


Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro - 3
 
Orlando Fedeli
Allan Kardec foi de fato um racista grosseiro e bruto, acrescentando ao evolucionismo darwiniano a sua doutrina gnóstica, muito mal aprendida e pior explicada. Seus textos indicam um homem cheio de contradições e de baixo nível intelectual.

Quero citar dele novos textos, comprovantes desse evolucionismo bruto e grosseiro do espiritismo kardecista.

No mesmo livro A Gênese, que já mencionei, se pode ler o seguinte:

"Esses Espíritos dos selvagens, entretanto pertencem à humanidade; atingirão um dia o nível de seus irmãos mais velhos, mas certamente isso não se dará no corpo da mesma raça física,impróprio a certo desenvolvimento intelectual e moral. Quando o instrumento não estiver mais em relação ao desenvolvimento, emigrarão de tal ambiente para se encarnar num grau superior, e assim por diante, até que hajam conquistado todos os graus terrestres, depois do que deixarão a Terra para passar a mundos mais e mais adiantados" (Revue Spirite, abril de 1863, pág. 97:Perfectibilidade da raça negra, in Allan Kardec, A Gênese, Lake _ Livraria Allan Kardec editora, São Paulo, p. 187. O negrito é do original e o sublinhado é meu).

Nesse texto do fundador do espiritismo moderno, está explicita a tese de que Kardec considerava os selvagens e a raça negra como inferiores.

O que é racismo bruto e grosseiro.

Se algum espírita ousar defender esse racismo kardecista, hoje, estará cometendo uma violação das leis anti-racistas vigentes no Brasil.
E Allan Kardec considerava raças inferiores não só os indígenas e negros, mas também os indivíduos de raça amarela.
Raça superior seria só a branca.

Para o racista grosseiro e bruto que foi Allan Kardec também os chineses seriam de uma raça inferior.

Eis a prova do que estou afirmando, retirada de outro livro de Allan Kardec:

"Um chinês, por exemplo, que progredisse suficientemente e não encontrasse na sua raça um meio correspondente ao grau que atingiu, encarnará entre um povo mais adiantado" (Allan Kardec, O que é o Espiritismo, Edição da Federação Espírita Brasileira, Brasília, 32a edição, sem data, pp. 206-207. A edição original de Qu'est ce que le Spiritisme é de 1859).

Portanto, para Kardec e para os espíritas, também os amarelos (japoneses, chineses, etc.), teriam que se reencarnar em raças superiores ou mais adiantadas. Hitler não diria muito diferente.

E Allan Kardec, esse racista bruto e grosseiro, pretendia que sua palavra fosse superior à palavra de Deus, na Sagrada Escritura,. pois ele escreveu:

"A reencarnação fazia parte dos dogmas judaicos sob o nome de ressurreição; só os Saduceus, que pensavam que tudo acabava com a morte, não acreditavam nela. As idéias dos Judeus sobre esse ponto, como sobre muitos outros, não estavam claramente definidas, porque não tinham senão noções vagas e incompletas sobre a alma e sua ligação com o corpo. Eles acreditavam que um homem que viveu podia reviver, sem se inteirarem com precisão da maneira pela qual o fato podia ocorrer; designavam pela palavra ressurreição o que o Espiritismo, mais judiciosamente, chama reencarnação" (Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, Instituto de Difusão Espírita, Araras 1978, p. 59. O negrito e o sublinhado são meus. O itálico é do autor).

Portanto Allan Kardec se considerava mais "judicioso" do que a Bíblia, porque, naquilo que os autores inspirados por Deus erraram, ele Kardec elucidou.

Além de ser, então, um racista brutal e grosseiro, Allan Kardec era um presunçoso soberbo, que se colocava até mesmo acima da Bíblia.

Fonte: Site Monfort
    Para citar este texto:
Orlando Fedeli - "Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=religiao&artigo=kardec&lang=bra 
Online, 11/06/2014 às 22:20h

Psiquiatras prepara o terreno para declarar a religião uma doença mental


Em um recente artigo da revista Time é apresentado um panorama sobre os danos que poderia causar religiosidade.

A religião pode ser uma fonte de conforto que melhora o bem-estar. No entanto, alguns tipos de religiosidade pode ser um sinal de mais profundos problemas mentais.
Vendo seus filhos rezar com mais entusiasmo do que jogar jogos de vídeo, a maioria dos pais gritavam: "Aleluia" ou qualquer que seja a expressão de alegria. E eles deveriam. A pesquisa mostra que a religião pode ser uma força positiva na vida das crianças, como pode ser para adultos.
"Religião", diz Bill Hathaway, um psicólogo clínico da religião e reitor da Faculdade de Psicologia e Aconselhamento da Universidade Regent ", tem a ver com a criança a ter um maior senso de auto-estima, uma melhor adaptação acadêmica e menor taxas de abuso de substâncias e delinqüente ou comportamento criminoso. "
Então, se o seu filho está imerso nas Escrituras depois da escola e orar regularmente ao longo do dia, você pode respirar um suspiro de alívio. Ele é um cara bom. Meu filho está bem.
Ou talvez não ... A devoção do seu filho pode ser grande, mas há algumas crianças cujos ritos religiosos precisam de um olhar mais profundo.
Para estas crianças, uma prática fé com excesso de zelo de sua família - ou mesmo de outra fé - pode ser um sinal de um problema de saúde mental subjacente ou um mecanismo de defesa para lidar com o stress ou trauma, sem direção.
cross-coroa-de-espinhosTerapeutas privados relatam que eles estão vendocrianças e adolescentes através de uma série de crenças religiosas cuja prática pode ser problemático. A quantidade de tempo dedicado à oração, ou outros atos de prática espiritual não é tão importante, dizem eles, a qualidade desta devoção, e se ele ajuda as crianças ou em vez isolar e enfraquecer o seu trabalho escolar e seus relacionamentos. Crianças com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), por exemplo, rigidamente pode repetir versos sagrados, como a Ave Maria ou o foco em outros rituais menos por um sentido mais profundo de sua fé, mas sim como uma expressão de sua doença."Parece bom, mas poderia ser negativo", diz Stephanie Mihalas, professor da UCLA e psicólogo clínico licenciado.
Tal comportamento ritualístico, diz ele, também pode refletir a forma como uma criança a lidar com a ansiedade, e realmente não poderia ser mais espiritual do que lavar as mãos ou medo fanático de caminhar sobre as rachaduras nas telhas da rua."Essas crianças têm medo de que, se não obedecer suas regras religiosas perfeitamente", explica Carole Lierberman, MD, um psiquiatra em Beverly Hills, "Deus vai castigá-los."
Algumas crianças sofrem de escrúpulos, uma forma de transtorno obsessivo-compulsivo que envolve sentimentos de culpa e vergonha. Vítimas preocupar obsessivamente que cometeram a blasfêmia, foram impuros ou não pecado. Eles tendem a se concentrar em certas regras ou rituais, em vez de toda a sua fé.Preocupação que Deus não perdoará. E isso pode sinalizar o início de depressão ou ansiedade, diz John Duffy, um psicólogo clínico na área de Chicago, que é especializada em adolescentes. "As crianças que tenham cometido" erros "para o uso de drogas ou sexo", diz ele, "pode ​​ter dificuldade em perdoar a si mesmos."
Tais práticas religiosas meticulosos não parece tão prejudicial, mas os extremos de comportamento, tais como delírios ou alucinações podem ser um sinal de doença mental grave. Vendo e ouvindo coisas que não estão lá podem ser sintomas de psicose maníaco-depressiva, o transtorno bipolar ou esquizofrenia de início precoce.Mas os pais podem ser menos sintonizados com esse tipo de comportamento insalubre quando ocorre sob o pretexto de fé.
Não é incomum para as crianças de famílias em que a discórdia conjugal, disciplina severa, abuso ou dependência estão presentes, realizam rituais de proteção. Se eles sabem que seus pais aprovam a religião, diz Lieberman, "é sobre ser bons meninos e ficar abaixo do radar de caos familiar ou raiva dos pais. Ou, como tem sido Mihalas, algumas crianças até mesmo empurrar seus pais e profissionais para ser ainda mais rigorosa, por medo de que se ocorrer um desastre.
Quando essas bandeiras vermelhas até a religião? O teste fundamental centra-se na forma como as crianças estão trabalhando no resto de suas vidas. Você está indo bem na escola, praticar esportes ou música, socializar com os amigos? Se assim for, então a sua fé é, provavelmente, uma fonte de força e resistência. Se parece que as práticas religiosas e rituais pode ter tomado sobre suas vidas diárias, e deslocado atividades normais, os especialistas sugerem a dar passos para entender o que está fazendo com que eles se concentrem em fé.


Fonte: vistoenlaweb
Blog do Gari Martins da Cachoeira
http://martinsogaricgp.blogspot.com.br/2014/06/psiquiatras-preparar-o-terreno-para.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoGariMartinsDaCachoeira+(Blog+do+Gari+Martins+da+Cachoeira)

sábado, 7 de junho de 2014

Racismo e Etnia é Condição - Homosexualidade,Pedofilia, Sadismo e Zoofilia é comportamento sexual



Se usar o argumento de que a pessoa nasce com a tendência a homosexualidade o mesmo argumento é válido para a defesa da Pedofilia e Zoofilia, que são considerados comportamentos depravados e inaceitáveis pela sociedade em sua maioria.

Embora seja dito muitas vezes como sinônimos, existem certas diferenças entre raça e etnia. Raça se expressa nas características visíveis da pessoa, ela engloba as características físicas, tais como tonalidade de pele, formação do crânio e do rosto e tipo de cabelo.

A etnia também se refere a isso, mas ela vai além das características físicas da pessoa, ela inclui a cultura, nacionalidade, afiliação tribal, religião, língua e tradições.


Dentre as várias raças humanas, as quatro principais são:

1)- Caucasianos: De origem europeia, norte-americana, árabes e até indiana. Com exceção dos mediterrânicos, tem nariz estrito, lábios delgados e cabelos lisos ou ondulados. Tem como principais características pele e olhos clarosVeja o site penteados de cabelo e confiranovidades.

2)- Mongoloides: De origem asiática, apresentam a tonalidade de pele amarelada, cabelos lisos, rosto achatado ou largo e nariz de forma variada. Variaram dessa raça os esquimós e índios americanos.

3)- Australóides: Tem como características os olhos escuros, cabelo encaracolado e nariz largo. A tonalidade da pele é escura, quase negra.


3)- Negros: De origem africana, apresentam as características de pele escura, olhos escuros, lábios grossos, nariz achatado e cabelos crespos.


O racismo é a tendência do pensamento, ou o modo de pensar, em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas e superiores umas às outras, normalmente relacionando características físicas hereditárias a determinados traços de caráter e inteligência ou manifestações culturais.


O racismo não é uma teoria científica, mas um conjunto de opiniões pré concebidas que valorizam as diferenças biológicas entre os seres humanos, atribuindo superioridade a alguns de acordo com a matriz racial.A crença da existência de raças superiores e inferiores foi utilizada muitas vezes para justificar a escravidão, o domínio de determinados povos por outros, e os genocídios que ocorreram durante toda a história da humanidade e ao complexo de inferioridade, se sentindo, muitos povos, como inferiores aos europeus.


Vc acha que homofobia deve ser tratada como doença? Ou punida como Racismo ?


Teoricamente, as fobias são doenças psicólogicas, ora, se podem ser definida assim, você acha que quem precisa de cura são os gays ou homofóbicos?

Homofobia deve ser tratada como doença, diz analista:

Durante o 12º Simpósio da AJB (Associação Junguiana do Brasil), em 2004, analistas debateram uma possível abordagem junguiana da sexualidade, principalmente na relação entre parceiros do mesmo sexo.

Segundo o analista Gustavo Barcellos, "o uso do termo 'homofobia' denota que estamos, como outras formas de fobias, diante de uma doença.


O termo está em uso no jargão psicológico desde 1972, quando apareceu pela primeira vez no livro de George Wienberg, 'Society and the Healthy Homosexual'.


Assim, podemos entender que ela segue os padrões básicos das dinâmicas fóbicas: medo intenso, associado a repulsa, que leva que leva gradativamente a um empobrecimento da vida emocional e do comportamento social."

Organismos de defesa dos direitos humanos, em geral, existem para proteger as camadas mais desprotegidas. Os gays não se encaixam em minorias, vejam porque:

1)- Eles têm os melhores empregos, estão em toda a parte cultural do país, têm financiamento de fundações estrangeiras.

2)- Eles têm vez. Eles têm voz.


3)- Tudo o que eles fazem a mídia divulga.

Citaria como camadas desprotegidas os matutos que moram nos sertões e são escravizados por senhores feudais, as meninas que são violentadas no Norte e Nordeste, os moradores de rua, que não têmprato de comida.


Detalhe interessante:

Desde 2009, há estupro entre pessoas do mesmo sexo. Até então, só um homem poderia ser o culpado e só uma mulher podia ser a vítima. Isso porque estupro era só a penetração do pênis na vagina. Qualquer outra forma de sexo violento era chamado de atentado violento ao pudor. Hoje, qualquer forma de sexo forçada é considerada estupro e já não há o crime de atentado violento ao pudor.

O problema, de acordo com a lei, não é a opção sexual ou a 'modalidade' de sexo feita entre as duas pessoas, mas a idade das pessoas envolvidas.


Para a lei brasileira, a criança ou adolescente menor de 14 anos não ‘sabe’ o que é amor, e tampouco pode tomar qualquer decisão a respeito de sua sexualidade porque ainda não tem o desenvolvimento emocional e/ou intelectual necessário.


Em outras palavras, a pessoa menor de 14 anos não pode consentir pois não possue plenamente desenvolvido o discernimento necessário para fazê-lo.



Fazer sexo com uma pessoa menor de 14 anos, bem como uma pessoa embriagada, ou deficiente mental, drogada, anestesiada ou que de qualquer outra forma não esteja no controle de sua vontade, é estupro de vulnerável. É o que os juristas chamam de presunção de violência. A lei presume que quem estava vulnerável não poderia controlar sua vontade e, por isso, presume que houve violência.

E quanto ao Homossexualismo,Sadismo, Zoofilia e Pedofilia ?



O homossexualismo é a atração bizarra que um sujeito sente pelo outro do mesmo sexo. O homossexualismo é defendido pela sociedade, como se essa “opção sexual” fosse diferente da zoofilia ou até mesmo da pedofilia.


Ora verdade seja dita: “Os atos homosexuais (E não a homosexualidade)  é tão desnatural, escalafobético e extravagante quanto a Zoofilia, Sadismo e Pedofilia, pois em todos estes  casos, trata-se de perversão sexual que foge do método convencional, e tudo o que não é natural, é BIZARRO.”

Quem apóia o homossexualismo, pela lógica, apóia também a zoofilia,pedofilia e o sadismo, pois qual seria a diferença entre um homem que faz sexo com outro homem e, um homem que faz sexo com animais domésticos, crianças e pratica o sadismo ?A diferença é ZERO !!!.

Portanto quem apóia o homossexualismo, tem fortes chances de apoiar a Zoofilia, Sadismo e a pedofilia também, pois a pedofilia é outra perversão sexual, assim como o homossexualismo.

A única diferença é que o pedófilo sente atração por crianças, e os homossexuais sentem atração por pessoas do mesmo sexo. Mas a bizarrice é a mesma, a única coisa que muda é a escolha pelo (a) parceiro (a), ou seja, uns preferem pessoas do mesmo sexo (Homossexuais); outros preferem animais (Zoófilos); e outros preferem as crianças (Pedófilos). Cada um com sua “tara”, mas na prática, é tudo farinha do mesmo saco, vinhos servidos na mesma taça da pervessão sexual.


Se a nossa legislação um dia, porventura, obrigar os cidadãos de bem a aceitarem o coito homossexual como algo “normal”, então, essa mesma legislação terá que proteger também os Zoófilos, Sádicos e os pedófilos, afinal, como eles mesmos dizem: “Cada um com sua preferência sexual”.


Sendo assim, a preferência sexual dos zoófilos são os animais domésticos e, a preferência sexual dos pedófilos são as crianças... Se eles querem propagar o homossexualismo aos olhos da lei, alegando que todo mundo é livre para transar com “quem” quiser ou com “o quê” quiser, então terão que legalizar também todas as outras perversões sexuais, que por sinal são tão anormais e estrambóticas quanto o homossexualismo e, entre elas, destaca-se a zoofilia e a pedofilia.

Hoje os homossexuais fazem protestos para legalizarem o casamento homossexual e, amanhã, os zoófilos farão protestos para legalizarem o casamento entre uma mulher e um cachorro e, pessoas de bem que discordarem desses absurdos serão prontamente rotuladas como “Preconceituosas”, “Intolerantes”, “Fascista”, “Nazistas”... No final das contas, os DOENTES MENTAIS PERVERTIDOS serão, aos olhos da lei, os “mocinhos” da história, enquanto nós, cidadãos de bem, simplesmente por discordarmos desses disparates, seremos os “vilões” da história...

Para provar as afirmações acima veja isto:

LIDER GAY NO BRASIL  Luiz Mott   DEFENDE A PEDOFILIA!!!

Sempre se soube que esta ligação é muito estreita entre Pedofilia e homossexualismo.Todo homossexual tem tendência à pedofilia e ao Sadomasoquismo, agora está realmente comprovado, era só uma questão de tempo eles mostrarem a sua verdadeira face e intenções promíscuas, que querem agora transformar em lei.


O Ministério Público Federal da Bahia recebeu do advogado do Centro Apologético Cristão de Pesquisas CACP Dr. Eliézer de Mello Silveira denúncia de apologia ao crime de pedofilia na internet, propagada pelo líder do movimento gay no Brasil, com o repugnável título:

"Pedofilia já,!!! Enquanto estou com tudo em cima."

Peço-lhe permissão para que confira as idéias insanas do Sr. Luiz Mott, que se considera acima do bem e do mal: 






"Nos últimos 36 anos de prática homoerótica, calculei que devo ter transado mais ou menos com uns 500 homens diferentes. No meu caso, para dizer a verdade, se pudesse escolher livremente, o que eu queria mesmo não era um "homem" e sim um meninão. Um 'efebo' do tipo daqueles que os nobres da Grécia antiga diziam que era a coisa mais fofa e gostosa para se amar e f o d e r...”


Senhores, esta é a realidade do nosso País:


Grupos de homossexuais em que  seus condenáveis e promíscuos líderes e simpatizantes tentam agora pressionar a Câmara dos Deputados para que aprove a repugnável lei contra “homofobia” e redução da menoridade para crimes hediondos praticados por menores e a favor da Pedofilia.


Que moral tem esses seres rastejantes para reivindicar direitos, se eles são os primeiros a desrespeitarem a sociedade brasileira com gestos e atitudes grosseiras?


Que o bom-senso possa falar mais alto e o grotesco projeto engavetado de vez para o bem da nossa amada nação que está se depravando em virtude destes promíscuos.

Fonte: www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=2297


Depois disso, você ainda tem a coragem de defender esse tipo de perversão sexual?


A desculpa que os homossexuais usam para tentar "separar" o homossexualismo da zoofilia, é que na zoofilia, os animais fazem “sexo forçado”, e no homossexualismo o sexo se dá através do consentimento de ambos.


Esse argumento é falho, pois existem diversos vídeos de zoofilia onde os cavalos, devidamente aliciados por mulheres, ficam com seus pênis eretos e introduzem os membros nas vaginas das mesmas. Os animais só conseguem ficar com o pênis ereto se estiverem sentindo prazer, sendo assim, eles não estão sendo forçados a fazer sexo, apenas foram seduzidos. A mulher, por mais ridículo que possa parecer, seduz o cavalo para que ele sinta vontade de penetrá-la, sendo assim, o animal não está sofrendo nenhuma violência como alega os homossexuais em seu argumento falho.





Chega de perversão sexual: Diga não ao homossexualismo, Zoofilia, Sadismo e Pedofilia e toda sorte de bizarrice.Todos unidos pela preservação da moral e dos bons costumes !!!.


Querem depravação ? Ora se são minorias inteligentes e poderosas,compre uma ilha e façam lá tudo que tiverem vontade, mas respeitem quem não concorda e não quer isto.


“As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade.” (Lamentações 3,22-23)



Fonte: Blog Beraká
http://berakash.blogspot.com.br/2014/06/racismo-e-etnia-e-condicao.html

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Assembléia de Deus e a maçonaria



Para conferir clique AQUI

Facebook Apologistas D.S.D.C via Facebook Fim da Farsa

Fonte: Blog O Diário Alexandrino
http://macabeuscomunidades.blogspot.com.br/2014/06/assembleia-de-deus-e-maconaria.html